arrow-circle-down arrow-circle-left arrow-circle-up arrow-down arrow-left arrow-line-right arrow-right arrow-up ballon close facebook filter glass lock menu phone play point q question search target twitter
Las cookies propias y de terceros nos permiten mejorar nuestros servicios. Al navegar por nuestro sitio web, aceptas el uso que hacemos de las cookies. Más información Aceptar
X

Área Profissional / Convocatórias

arquia Próxima

VII Edição 2018-2019

CONVOCATÓRIA IBÉRICA

com o objetivo de apoiar os arquitetos espanhóis e portugueses nos primeiros dez anos de exercício profissional apresenta a VII Edição do programa bienal arquia/próxima.
Registe-se como arquiteto PRÓXIMO e publique as suas realizações na web da Fundação. Ficarão habilitadas a ser selecionadas pelo júri da presente edição para publicação num catálogo. Além disso, poderá ganhar o prémio arquia/próxima com uma dotação de 15 000 € ou o prémio arquia/inova com uma dotação de 3000 €.

  • Condições
  • A Fundação Arquia convoca a VII edição 2018-2019 do concurso arquia/próxima, concebido para oferecer apoio aos arquitetos espanhóis nos primeiros dez anos de exercício profissional e baseado na divulgação, promoção e valorização das suas realizações e princípios enquanto profissionais

    • Candidatos
    • Poderão participar os arquitetos com formação superior em qualquer uma das Escolas Técnicas Superiores de Arquitetura de Espanha e Portugal, desde que não tenham decorrido mais de dez anos desde a data da licenciatura (diploma obtido a partir de 1 de janeiro de 2008, nesta edição). Os arquitetos estrangeiros com diploma obtido em Espanha ou Portugal a partir de 1 de janeiro de 2008 também podem participar. Os arquitetos com diploma obtido fora de Espanha ou Portugal a partir de 1 de janeiro de 2008 e reconhecido em Espanha ou Portugal também podem participar.

    • Calendário
    • Início da convocatória: 18 da janeiro de 2018
      Período de inscrição: de 18 de janeiro de 2018 a 9 de dezembro de 2019
      Resultados: junho de 2020
      VII Festival arquia/próxima: outubro de 2020

    • Documentação e envio
    • A informação pode ser anexada e/ou modificada até ao dia do encerramento das inscrições (9/12/2019 12:00 h).
      Para mais informações sobre a documentação a enviar, consulte o manual de ajuda.
      Também está disponível na área pessoal do utilizador.

  • Inscrição Autor
  • A inscrição no concurso arquia/próxima apenas se pode realizar através do sistema de inscrição online, preenchendo o formulário disponibilizado para esse efeito.

     

  • Inscrição Realização
  • Para inscrever uma realização no programa arquia/próxima, primeiro deve criar a realização na área pessoal (área profissional) e depois adicionar a sua participação ao programa arquia/próxima.
    Para mais informações sobre a inscrição da realização, consulte o manual de ajuda.
    Também está disponível na área pessoal do utilizador.

  • Data limite de inscrição Autor
  • 9 de dezembro de 2019 até às 12:00 h

  • Data limite de inscrição Realização
  • 9 de dezembro de 2019 até às 12:00 h

  • Júri
  • O júri será composto por:

    Gonzalo Herrero Delicado

    Comissário

    Gonzalo Herrero Delicado é arquiteto, comissário e escritor radicado em Londres.
    Desde 2016, é Comissário de Arquitetura da Royal Academy of Arts de Londres, onde desenvolve um extenso programa de exposições, instalações e programas públicos na interseção entre arquitetura e artes visuais. Entre os seus projetos, destacam-se Invisible Landscapes (2018-2019), Futures Found (2017) e a sua próxima exposição Eco-Visionaries (2019-2020), que explora o impacto ecológico da ação humana sobre o meio ambiente através de várias práticas contemporâneas.
    Anteriormente, trabalhou como curador na The Architecture Foundation e no Design Museum, ambos em Londres. Neste último, foi comissário-adjunto da exposição que inaugurou o novo museu, Fear and Love: Reactions to a Complex.

    Arturo Franco 

    Representante da zona Centro

    Arquiteto, crítico e editor. Como crítico e editor, o seu trabalho tem vindo a centrar-se na exploração da realidade contemporânea, bem como na intervenção no património.

    Comissário/diretor da XI Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo.

    Doutor Internacional (PhD) com a classificação máxima de excelente Cum Laude. Prémio Extraordinário de Tese de Doutoramento pela ETSAM em 2015.

    Pensionado da Real Academia Espanhola em Roma 2013-2014. AECID. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Bolsista do programa ART_EX 2014-2015. AECID. Ministério dos Negócios Estrangeiros.

    Autor, entre outros, do livro “Hablan los arquitectos. ¿Una escuela de Madrid?” Publicado pela editoria argentina Diseño com a colaboração da ETSAM e UPM.

    Naiara Montero

    Patrona e representante da Fundação Arquia

    Arquiteto pela Escola Técnica Superior de Arquitetura de Barcelona (ETSAB).
    Arquiteta Doutora (Cum Laude) com Menção Europeia numa tese sobre os âmbitos de investigação na energia e no meio ambiente na arquitetura (ETSAB).
    Pós-graduação “Interior e Interiores” pela Universidade Politécnica da Catalunha (UPC).
    Curso de formação do Negócio Bancário 2015 (Arquia Caixa De Arquitetos).
    Estadia na University of College em Dublin (UCD) como membro investigador na equipa Energy research Group (2011).
    Professora de projetos.

    Marta Pelegrín

    Representante da zona Sul

    Marta é arquiteta doutora (Universidade de Sevilha Menção Internacional, Sob.C.L.2017), professora de projetos de arquitetura na ETS. de Arquitetura de Sevilha desde 2007. Realizou estudos na Alemanha, períodos de investigação na Áustria, Kunsthalle & Donau University Krems (Prémio DaylightSpaces, 2016); Research Residence no Institut für Architektur Technologie Graz (2017), e bolsas de docência no Uruguai (FADU‑Montevidéu) e Portugal (FAU Lisboa e Escola das Artes, Univ. Évora). É coordenadora e professora de Cátedra Blanca Sevilla desde 2007. Foi docente na ETSA. Málaga, convidada em diversos Mestrados Universitários (US, UNIA, ETSAM, FADU‑DEIP) e conferencista em diferentes universidades e instituições internacionais, como a CAUP Tonji University Shanghai, Instituto Cervantes de Pequim e Viena, Facultade de Arquitetura de Montevidéu e conferências na ETS. Málaga, Saragoça, Madrid, Valência...

    Ester Roldán

    Representante da zona Norte

    Arquiteta pela ETSA de Valladolid e Diploma de Estudos Avançados em Projetos de Arquitetura pela ETSA de Barcelona. Em 2001, fundou a longo+roldán arquitectura juntamente com Víctor Longo Valdés, depois de ganhar o Primeiro Prémio no Concurso Nacional de Ideias para o Edifício dos Serviços da Autoridade Portuária de Gijón em El Musel. A sua execução levou-os a ganhar o Prémio Astúrias Arquitetura 2006, prémio que voltaram a ganhar em 2008 com o Edifício de Habitação Coletiva e em 2012 com uma habitação/atelier para artista + pequeno Hotel Rural, uma obra selecionada pela revista Monocle como uma das 100 Top Experiences em Espanha.
    Também foram finalistas em numerosos concursos de arquitetura e design e recentemente nomeados para o Prémio Mies van der Rohe 2019 com um Complexo Residencial e Pavilhão Multiusos. A sua obra foi publicada em.

    Fran Silvestre

    Representante da zona de Levante

    Fran Silvestre, arquiteto com especialização em edificação (com menção honrosa) pela ETSA de Valência e na especialidade de urbanismo (com menção honrosa) pela TU/e (Technische Universiteit Eindhoven) da Holanda, doutor pela Universidade Politécnica de Valência dentro do programa Projetar a partir do território um olhar moderno 2012-2016 (Magna Cum Laude), é professor do Departamento de Projetos da Universidade Politécnica de Valência e vice-diretor da Escola de Arquitetura no período 2010-2012. Atualmente é professor de projetos na Universidade Europeia de Valência e diretor do Mestrado MArch Arquitetura, Design e Inovação na Universidade Europeia de Valência.
    O seu atelier conta com a colaboração e ajuda habitual em projetos de outros ateliers, tais como...

    Ana Luísa Soares, do Fala atelier

    Representante de Portugal

    Fala é um atelier de arquitetura naïve sediado no Porto e coordenado por Filipe Magalhães, Ana Luísa Soares e Ahmed Belkhodja. Criado em 2013, o atelier trabalha com um otimismo metódico num vasto leque de projetos, desde territórios até birdhouses. Os projetos Fala são uma combinação de linguagens formais, referências, citações e temas, regulados por uma obsessão pela clareza; a sua arquitetura é intuitiva, retórica, hedónica e pós-moderna.
    Fala foi docente em diferentes universidades e instituições, incluindo a Associação de Arquitetura de Londres, a Fundação Graham em Chicago, o Centro de Artes Plásticas em Bruxelas, a Faculdade de Arquitetura de Versailles, em Paris, e a Casa Della Architettura em Roma; entre outros, Fala tem lecionado nas faculdades de Arquitetura em Veneza, Munique, Munster, Liége e Bratislava. O trabalho do atelier foi exibido nas bienais de arquitetura em Veneza e Chicago.

    Juan Antonio Serrano García

    Representante dos participantes

    Juan Antonio Serrano García é arquiteto pela Universidade de Granada desde 2009 e Mestre em Projetos de Arquitetura Avançada pela Universidade Politécnica de Madrid desde 2012.
    Criou o estúdio de arquitetura Serrano + Baquero com Paloma Baquero Masats em 2010, desenvolvendo projetos de várias escalas entre os quais se destacam; Escaparate horizontal, selecionado na III edição de Arquia Próxima e na Bienal Ibero-americana de design de 2012 e premiado nos II Prémios PR, II Prémios de Design na Andaluzia e nos prémios 2A, 33 Vidrios Desplazados, finalista nos prémios Lamp e premiado nos prémios Aplus, Viaje al interior de un huerto, premiado na categoria de projeto social dos Prémios Beyond Building 2015 e nos prémios 2A, finalista nos Prémios Enor e selecionado na Bienal Internacional de Paisagem...

  • Tema
  • Ponto de viragem. Posições radicais para um mundo em mudança.

    Vivemos em um mundo em constante mutação. Seja conflitos políticos, desigualdades sociais ou desastres ecológicos; o planeta e a humanidade estão em contínua mudança, aproximando-se cada vez mais de um estado de colapso. Vivemos num mundo globalizado e interconectado, digital e fisicamente, em que as ações diárias que levamos a cabo no nosso ambiente circundante têm um impacto drástico em outras partes do mundo. Um “efeito borboleta”, onde pequenas mudanças podem ter consequências imprevistas em diferentes lugares e momentos. As nossas ações diárias não só afetam o nosso ambiente imediato, como também têm um impacto indireto noutros países e contextos.

    Em fevereiro deste ano, o jornal The Guardian publicou uma série de artigos em que analisava o impacto ambiental do principal material utilizado na construção civil, o cimento. Depois da água, o cimento é o segundo material mais consumido no mundo e a causa de 8% das emissões globais de CO2. Se a isto acrescentarmos o facto de o setor da construção contribuir com 23% da poluição atmosférica, 40% da poluição da água potável e 50% dos resíduos em aterros, a situação é crítica. Vivemos num momento de máxima urgência em que os recursos naturais têm um prazo de validade, pelo que temos de refletir e colocar em perspetiva o impacto da arquitetura tanto na sociedade como no planeta. Um planeta onde precisamos de criar habitats para uma população mundial que aumentará 25% nos próximos 30 anos. De que forma a arquitetura e os arquitetos estão a responder a esses problemas à escala local e global?

    As décadas de 60 e 70 foram décadas tumultuosas de desordem política e convulsão social. Da construção do Muro de Berlim ao movimento antinuclear, aos protestos contra a Guerra do Vietname ou aos motins estudantis de maio de 68, estes anos ocupam um lugar de destaque na nossa história recente. As injustiças foram debatidas abertamente e foram gerados pensamentos radicais que desafiaram o status quo, bem como as convenções e práticas existentes em várias esferas da vida, incluindo a arquitetura. Vivemos um momento igualmente crítico com paralelismos diretos, mas com 50 anos a menos na contagem regressiva.

    Este é o momento de entender o impacto da arquitetura de forma holística e de criar projetos radicalmente inovadores que atuem com risco para mudar a forma como atuamos no nosso ambiente. Precisamos de trabalhar a partir da colaboração, entendendo o trabalho do arquiteto como parte de uma rede complexa, como o próprio planeta, onde o fluxo de conhecimento e ação é permanente, definindo novos formatos de ação que renegociem a relação entre os próprios seres humanos e com o meio ambiente. Precisamos de compreender a forma como nos relacionamos uns com os outros para que possamos saber como gerir uma relação mais empática com outras espécies e o nosso meio ambiente.

    O correto já não é suficiente. Não podemos continuar a atuar da mesma forma, precisamos de gerar um ponto de viragem. Precisamos de introduzir uma mudança de pensamento, agenda e prática, para criar uma maior conscientização e demonstrar à sociedade o poder transformador da arquitetura para reparar os nossos ambientes. Precisamos desenvolver projetos e estratégias que nos permitam transformar radicalmente o nosso impacto no planeta e reparar a nossa relação com o meio ambiente, social, político e ambiental, criando um espaço mais democrático para todos.

    Esta convocatória da arquia/próxima é proposta com o objetivo de buscar estratégias, reflexões e materializações que atuam com risco para questionar o status quo e as conceções pré-definidas, apresentando propostas que conduzam a uma mudança radical nas práticas arquitetónicas contemporâneas. Os projetos selecionados nesta convocatória funcionarão como uma cápsula do tempo, um reflexo da agenda dos arquitetos de hoje que irá cristalizar a forma como estão a responder de forma crítica e inovadora às mudanças sociais, políticas, económicas e ambientais. Uma oportunidade para examinar e discutir coletivamente questões de vital importância para a nossa sociedade e o nosso planeta, bem como para destacar as práticas que atuam com risco e inovação diante das mudanças locais e internacionais, a fim de gerar uma nova radicalidade na arquitetura.

Registe-se na Fundação

Registe-se como utilizador da Fundação nos diferentes perfis de utilizador